RSSFacebookTwitter YouTubeInstagramPinterest





Camping, um guia para seu acampamento

Goste você ou não, acampar é uma atividade paralela e fundamental ao praticante de trekking ou mesmo escalador que eventualmente se vê obrigado a montar acampamento em algum local para atingir o seu objetivo.

Nem todo mundo tem muita noção quando o assunto é acampamento, é normal ver pessoas em campings ou parques nacionais com equipamento inadequado ou improvisado, em alguns casos essas pessoas chegam até a ter problemas por causa do frio ou chuva.

Existem basicamente 3 tipos de camping: o selvagem, o camping com estrutura e o bivaque. Esse último na verdade é uma espécie de camping selvagem já que raramente ele acontece em algum local com estrutura.

O camping com estrutura é como eu chamo os campings que apresentam algum benefício ao campista, seja um banheiro, cozinha, área monitorada, etc. É o camping que nós estamos acostumados a ver por aí, aqueles que você monta a sua barraca e paga por um período a sua estadia ali, tendo assim direito de usar as dependências do local. No camping selvagem o campista está em uma área remota, sem acesso a estrutura alguma, é o camping que vemos durante algumas travessias e expedições. O bivaque é uma modalidade de camping onde o campista dorme ao relento, usando o saco de dormir, isolante e um toldo para lhe proteger da chuva, pode ser feito de propósito ou acontecer por causa de algum problema. Algumas pessoas bivacam usando redes. O bivaque e o camping selvagem não são atividades para campistas inexperientes…

A grande questão é: o que levar pro camping???

A resposta depende muito do tipo de camping que você vai fazer, mas para todos existe uma lista de equipamento que se adequam ou não. Essa questão é outra coisa importante, muita gente gasta dinheiro comprando colchonetes, depois compram colchão inflável, aí passam pro isolante e no final das contas compram um isolante inflável. Ora bolas, é bem mais simples juntar uns trocados a mais e comprar logo o isolante inflável. Pensem nesse detalhe, no final das contas vocês notarão que vão gastar menos dinheiro com alguns equipamentos, principalmente as mochilas. Essas merrecas que sobraram podem virar um curso de montanha ou até mesmo ajudar na vaquinha daquela viagem dos sonhos.

1. Camping estruturado

Família no carro, tudo no porta-malas, inclusive aquela sua super barraca de 1980 com estruturas de aço e cinco quartos mais duas varandas, churrasqueira, botijão de gás de 5l e muitos colchonetes, cadeiras de praia e uma caixa térmica grande pras cervejas…. Ahh! O rádio de pilha e o ventilador também é claro, às vezes vai até o cachorro da família. Exageros a parte muita gente ainda acampa assim aqui no Brasil. Essa é uma cena relativamente comum em campings onde os carros chegam. Pela facilidade de transporte as pessoas acabam levando a casa inteira nas costas – ou melhor no porta malas – pro fim de semana.

Raras foram as vezes que eu acampei com estrutura, mas estrutura no meu caso se resume a usar as dependências do camping e levar a minha barraca Apolo da Guepardo, que serve para 4 pessoas e me deixa dormir numa boa, mais pesada, porém mais confortável e nem de longe chega perto do peso daquelas barracas antigas. Neste tipo de camping você pode abusar um pouco mais dos equipamentos, mas mesmo assim eu acho um absurdo levar colchonetes, rádios e isopores – questão de cultura minha. Leve uma barraca maior, mas de varetas de fibra – nada de estrutura de aço, reduzir o peso é sempre bom. Troque os colchonetes por isolantes térmicos de neoprene ou mesmo infláveis – eles vão servir para um camping selvagem que você venha a fazer depois. Ao invés do rádio que tal levar um MP3 player, tem função de rádio, não usa pilhas, pesa menos e pode ser recarregado por um carregador solar. Vai usar um fogareiro para cozinhar? Então porque você não leva um mais leve do que o dos antigos botijões de 5l?? De quebra ainda reduz o peso do combustível também. Tem umas dicas de fogareiro aqui.

Camping estruturado na Ilha Grande com a barraca Apolo da Guepardo

Camping estruturado na Ilha Grande com a barraca Apolo da Guepardo

Se você comprar equipamentos mais técnicos irá gastar dinheiro apenas uma vez com eles, afinal de contas eles servem para os campings selvagens e bivaques também!! Pense nisso ao começar a montar a sua lista de equipamentos de camping.

Afinal de contas dar uma pé de frango é feio… Não se preocupe, muitos de nós já passaram por esta fase. Você vai evoluir, pequeno galináceo.

Ahh, eu tenho um colchonete daqueles de 15 reais da Casa e Vídeo também! Serve para dormir no chão quando eu quero fugir da minha cama.

É bem comum ver pessoas com barracas baratas em campings estruturados ou até em campings selvagens, por incrível que pareça! Essas barracas sem sobre-teto (aquelas azuis com detalhes amarelos) não seriam usadas nem pelos meus filhos pra brincar no quintal. Mas se o ser orçamento lhe impede de comprar algo melhor tenha sempre a mão uma lona para poder esticar sobre a barraca e assim evitar acordar encharcado depois de uma chuva mais forte – já que essas barracas não aguentam muita água!

Lona cobrindo uma barraca de camping

Usar uma lona sobre a barraca pode evitar que uma barraca mais simples deixe a água de uma chuva entrar

2. Camping selvagem

Agora sim, estamos na minha praia ou seria montanha? Equipamento leve, técnico e que serve para qualquer tipo de camping. Investir em equipamentos lhe fará muito bem, uma barraca mais leve e mais resistente pode ser o que você precisa para se aventurar naquela montanha ou praia isolada. Quanto menos peso melhor e mais longe vai a sua aventura, você se desgasta menos e seu corpo aguenta bem mais. Escolha a mochila certa, organize a mochila de forma correta e se solte no mundo. Uma dica ao comprar equipamentos: pesquise, visite mais de uma loja ou site, veja reviews por aí, compare preços e escolha os melhores quando a diferença de preço for pequena.

Exemplo de camping selvagem, barracas mais leves

A regra aqui é reduzir peso. Elimine tudo que for desnecessário e evite usar uma mochila grande demais, quanto maior for a mochila mais fácil é para você enche-la com besteiras.

Barracas – escolha as mais leves e com maior resistência a chuva – no mínimo 1200mm de impermeabilização.
Isolante térmico – inflável ou de EVA – nada de colchonetes ou colchões infláveis grandes e pesados.
Fogareiro e combustível – pequeno e com cartuchos de gás pequenos – é mais fácil de transportar
Saco de dormir – se o locar for frio ele em geral será pesado (existem modelos mais leves para frio), mas em locais quentes leve um liner ou uma manta de fleece.
Roupas – escolha roupas leves, de dry-fit e tactel, são mais leves e secam mais rápido quando precisam ser lavadas.
Calçados – uma bota ou tênis de trilha e um chinelo para descansar – eu não costumo levar nem o chinelo quando o camping é selvagem.
Água e alimentos – se a água for abundante onde você irá acampar leve somente um camelback ou uma garrafa (as pets de refigerantes são boas pra isso). Calcule os alimentos por refeição e por dia, evite carregar alimentos que estraguem com facilidade (queijos brancos, requeijão, ovo, leite, etc…). Se a água não for tão abundante assim calcule o que será necessário e leve mais uma garrafa ou duas, lembre-se de levar Clorin para limpar a água que você venha a captar no meio do caminho. Tenha comida sobrando sempre, para pelo menos mais um ou 2 dias quando você for fazer atividades em locais remotos.
Acessórios – evite levar facas enormes ou lanternas pesadas, prefira facas menores ou canivetes suíços e lanternas de cabeça de led. Um mapa, bússola ou GPS, apitos e telefone celular são sempre bem vindos. Leve pilhas extras pra lanterna e GPS e deixe o telefone carregando antes de sair de casa.
Kit de primeiros socorros e seus remédios de uso diário, protetor solar e repelente – monte um kit com o básico para fazer curativos e resolver problemas como dor de cabeça, enjoos, diaréia, febre, gripe, etc.
Kit de frio – Kit de frio?? É isso mesmo, independente do local onde você vai acampar é sempre bom ter na mochila um fleece e um anorak, assim caso seja necessário dormir ao relento por algum motivo você conseguirá aguentar melhor a queda de temperatura a noite.
Material de higiene pessoal – se não for possível tomar banho no local onde você vai leve lenços umedecidos (aqueles de bebê) ou gel d elimpeza (vende nas farmácias), assim você consegue se manter relativamente limpo. Além disso, pasta de dentes e escova, pente/escova, pinça, fio dental e cotonetes. Se for possível tomar banho no local leve sabonetes biodegradáveis ou sabão de coco e uma toalha de mão.

3. Bivaque ou Bivak

Bivacar é dormir ao relento, com o mínimo de equipamento possível. Algumas pessoas usam redes para bivacar também. Não é um tipo de camping para regiões muito frias ou com muita chuva, a menos que você tenha alguma proteção, como uma lona. O bivaque acontece em casos de emergência ou problemas com a barraca. Não é uma prática aconselhável sempre, depende de inúmeras situações:

Bivacar em locais muito frios não é aconselhável, mas se acontecer algo e for inevitável cave um buraco no chão (como uma cova, só que mais rasa) e durma dentro. A temperatura será mais agradável dentro do buraco, se houver pedras que possam ser empilhadas não será necessário cavar, basta construir um muro baixinho ao redor do seu saco de dormir e pronto. Se for montanha e tiver neve cave um toca na encosta e durma dentro.

Bivaque em local mais frio usando um muro para proteger do vento

Bivaque em local mais frio usando um muro de pedras para proteger do vento

Se o ambiente for a praia a idéia de cavar o buraco continua sendo válida, evite dormir na areia a menos que a faixa de areia seja muito larga é provável que você tenha problemas com a alta da maré, observe marcas em pedras na praia e até onde a areia está lisa. Esse é o ponto até onde a maré chega. Se der durma fora da faixa de areia.

Bivaque na praia

Bivaque na areia com sacos de dormir e isolantes

Em área de floresta é bom bivacar fora do solo, por causa de insetos, répteis, aracnídeos e outros animais. Neste ambiente sua melhor amiga será uma rede com mosquiteiro e um tarp. Dormir fora do chão é recomendável. Além disso abra uma pequena clareira no solo em local sem vegetação, faça um buraco, cerque com pedras e mantenha uma fogueira acesa com fogo BAIXO isso manterá possíveis animais à distância.- NÃO FAÇA FOGUEIRAS EM PARQUES NACIONAIS ISSO É CRIME, ESSA RECOMENDAÇÃO É PARA SITUAÇÕES EXTREMAS, CASOS ONDE AS PESSOAS ESTÃO PERDIDAS EM ÁREAS COMPLETAMENTE ISOLADAS!!!

Bivaque usando rede e tarp

Bivacar não é uma situação para as pessoas menos experientes, se esse for o seu caso comece com um camping selvagem em algum lugar não tão afastado – parques nacionais são ótimos para se acostumar com isso. E depois vá evoluindo aos poucos.

Sobre a barraca

Algumas dicas sobre como transportar a barraca e montar seu camping.

– Retire a sua barraca da embalagem dela, dobre-a novamente e arrume no fundo da sua mochila juntamente com seu saco de dormir. Coloque as varetas da armação de pé na mochila encostadas em algum local onde elas não serão forçadas durante o deslocamento. Se não houver espaço para fazer isso na mochila mantenha a barraca na embalagem e prenda-a no fundo da mochila, pelo lado de fora. É bem melhor carregar dentro!

– Não abra valas ao redor da barraca para deter a água da chuva, ao invés disso monte a sua barraca em locais planos e sem rebaixos no terreno. Escolha um local com um terreno que absorva bem a água em caso de chuva forte.

– Não monte a barraca próximo demais do mar ou de encostas. Evite, se possível, montar a barraca debaixo de árvores, galhos ou mesmo frutas pesadas podem cair e danificar a barraca.

– Em caso de vento forte na praia – e somente na praia – levante muros de areia entre o chão e o sobre-teto, isso fará com que o vento forte não entre por baixo do sobre-teto e arranque a barraca do chão.

– Em caso de ventos fortes em acampamentos na neve mure a barraca com pedras ou se a sua barraca tiver saias prenda-as esticadas com pedras, os dois podem ser feitos em conjunto e é até recomendável.

– Evite deixar a barraca diretamente sob sol forte durante muitos dias, isso danifica a impermeabilização da barraca.

– Evite guardar a barraca molhada, se ela estiver com o sobre-teto molhado remova-o e sacuda-o para eliminar o máximo de água possível antes de guardá-la na mochila. Em muitos casos em locais mais frios a barraca amanhece molhada por dentro, isso acontece por causa da diferença entre a temperatura externa e a interna da barraca. A sua respiração bate no sobre-teto que está mais frio e automaticamente o vapor de água que expiramos condensa, para evitar isso mantenha as ventilações da barraca abertas e se for necessário deixe a porta parcialmente aberta, mantenha só a tela do mosquiteiro completamente fechada para evitar a entrada de insetos.

– Monte a sua barraca abrigada do vento se possível, isso em alto de montanha é uma coisa muito importante. Principalmente se o terreno não permitir a fixação de todos os espeques.

Sobre o impacto ambiental

Acampar, seja em que situação for pode gerar impacto no ambiente. Não importa se você está num camping com a família ou isolado aos pés de uma montanha nos Andes. As regras são mais ou menos as mesmas:

– Não deixe lixo para trás, traga de volta tudo o que você gerou de lixo.

– Não é por que o lixo é orgânico que ele pode ser deixado na natureza, afinal de contas não é legal ver numa trilha de campo de altitude um monte de cascas de laranja… Se você quiser até pode enterrar cascas de frutas ou restos de comida, mas evite enterrar sementes para não introduzir no local uma espécie que não é nativa da área. Ao enterrar algo cave um buraco de 15cm de diâmetro por 15cm de profundidade, enterre tudo e tape depois. Não enterre nada raso demais ou os animais do local podem desenterrar aquilo. Não enterre latas, plásticos, vidros, papel ou itens que não são orgânicos – leve-os de volta com você e elimine-os na lixeira mais próxima.

– Se o local não tiver banheiro enterre as fezes e o papel utilizado seguindo a mesma regra quanto a profundidade do buraco. NÃO FAÇA DE MODO ALGUM SUAS NECESSIDADES A MENOS DE 60 METROS DE FONTES DE ÁGUA, COMO RIOS, CACHOEIRAS, NASCENTES, ETC. A ÁGUA QUE VOCÊ BEBE PODE VIR DESTES LOCAIS.

– Se for INEVITÁVEL fazer uma fogueira cave um buraco no chão onde não haja vegetação próxima, cerque-o com pedras e use galhos secos que estejam no solo como lenha – NÃO DESTRUA ÁRVORES PARA FAZER LENHA, A LENHA BOA É SECA E MORTA, SÃO JUSTAMENTE OS GALHOS QUE JÁ ESTÃO NO CHÃO. Para apagar a fogueira deixe as brasas queimarem até o fim – não jogue água, depois disso recolha os restos de brasa e leve com você para eliminar numa lixeira. Feche o buraco usado pela fogueira e devolva as pedras usadas para cercar a fogueira. Não deixe rastros!!

– Não cave valas ao lado da sua barraca, essa era uma prática comum antigamente mas que só ajuda a degradar o solo. Monte sua barraca em um solo com boa absorção de água, sobre uma lona/plástico e evite os rebaixos no terreno, onde a água em geral se acumula.


Leia também

Diagnosticar e prevenir males da altitude

Apesar de não termos altas montanhas em nosso território, estamos cercados por uma das mais belas cordilheiras do planeta, os

Passagens aéreas, fique de olho nas promoções

Viajar é preciso e eventualmente voar é necessário. Como todo bom mochileiro eu pechincho em cada detalhe, e quando não

Escolhendo a mochila certa

Escolher uma mochila certa pode fazer com que você economize dinheiro no futuro e que evite problemas durante a atividade

Mario Nery

Mario Nery

Trekker, montanhista e mochileiro, pratica esportes outdoor desde 1990. Apaixonado por equipamentos, fotografia, cerveja e tecnologia. Formado em TI, atualmente trabalha na área mídias sociais/marketing digital. Siga o Trekking Brasil no Twitter: @trekking


10 comentários

Deixe sua opinião
  1. max
    max 4 dezembro, 2010, 17:19

    Cara show de bola suas dicas, achei bem interessante, eu adiro acampar, vou mais em campings com estrutura mas quem sabe um selvagem…rs.
    E isso ai muito uteis suas dicas …legal…valew.

    Responda este comentário
  2. Luz Carlos
    Luz Carlos 7 dezembro, 2010, 14:06

    Otimas as dicas, parabens!!!!! Teriam algumas dicas para expedição com caiaque???? Grande abraço.

    Responda este comentário
  3. Mario Nery
    Mario Nery 7 dezembro, 2010, 14:21

    Olá Luiz, bem caiaque não é muito a minha área, mas como o espaço na embarcação é reduzido a grande dica é simplificar ao máximo possível o material. Abuse de roupas leves como o dry-fit ou outros tecidos semelhantes, barraca pequena ou rede, saco de dormir pequeno, isolante inflável é menor que o normal, um par de chinelos ou mesmo Crocs caem bem ao remar e não dão problema se molhar, comida pode ser liofilizada ou pequenos lanches (mas se forem lanches pense na qualidade dos alimentos), muito protetor solar, bonés, óculos escuros e fogareiro pequeno com cartuchos. O que não pode molhar deve ser lacrado dentro de sacos estanque (teremos um review de dois modelos destes sacos aqui no site ainda este mês) e é isso, acho. Boa remada! Obrigado pela visita e pelo comentário!

    Responda este comentário
  4. Rodrigo
    Rodrigo 31 julho, 2011, 22:11

    Sempre aprendi que, em ambientes que chove bastante, é uma boa cavar essas “valetas” em volta da barraca… Por que diz não ser recomendado?

    Responda este comentário
  5. Mario Nery
    Mario Nery 31 julho, 2011, 23:28

    Rodrigo essas valetas ajudam a destruir o terreno a longo prazo. Ao invés de cavar valas é melhor escolher um bom ponto para barraca, usar uma boa barraca e colocar sob ela um plástico ou uma lona daquelas de carro, sem deixar bordas saindo para fora, isso além de proteger o piso da sua barraca melhora a resistência a água do piso dela! Qualquer dúvida escreva. Abraços!

    Responda este comentário
  6. Ana Luiza Alecrim
    Ana Luiza Alecrim 18 abril, 2016, 17:18

    Mario, sei que esse não é o foco do post, mas aproveitando: tem dicas de lugares para camping selvagem no Estado do Rio de Janeiro? Valeu, bjs!

    Responda este comentário
  7. Jalino
    Jalino 1 fevereiro, 2017, 15:10

    Algumas barracas vem com uma lona para aplicar diretamente a cima da barraca, funciona também? Ou o ideal é comprar uma barraca sem a lona e investir em lonas superiores.

    Responda este comentário
    • Mario Nery
      Mario NeryAuthor 1 fevereiro, 2017, 16:39

      Olá Jalino, não conhecemos nenhuma barraca que venha com uma lona extra para ser usada especificamente por cima dela. O ideal é não usar a lona! Mas para isso a barraca precisa ter uma boa coluna d´água no sobreteto, preferencialmente superior a 1000-1200mm, e precisa ser montada corretamente. Uma boa barraca bem montada dispensa a lona por cima. E vale mencionar que não são todos os lugares que possuem as condições para a montagem de uma lona sobre a barraca, isso dependerá de pontos de fixação, que nem sempre estão presentes no local. Caso a barraca tenha uma coluna d’água menor ou caso o usuário pretenda realmente usar uma lona como cobertura ele poderá comprar esta lona a parte, em lojas de construção ou até mesmo em supermercados. Abs!

      Responda este comentário

Deixe a sua opinião