RSSFacebookTwitter YouTubeInstagramPinterest





Montando um abrigo improvisado para o camping

Em muitas situações é possível montar um abrigo improvisado e assim reduzir o volume de material transportado na mochila. Normalmente os abrigos mais comuns vistos no trekking são feitos com cordeletes, lonas, ponchos e/ou bastões de caminhada. Porém é possível improvisar uma versão bem interessante usando varetas antigas de alguma barraca, uma lona ou um footprint para forrar o chão e um poncho ou outra lona para fazer a cobertura. A estrutura seria similar a de uma barraca, porém mais simples e menos volumosa.

A ideia apresentada aqui pode ser usada em diversas situações, porém deve ser evitada em locais de muito vento (a menos que você crie uma fixação melhor para o “teto” do abrigo. Bem como não será válida em locais de frio extremo. Contudo é uma solução válida para travessias de litoral e campo em estações do ano ou locais com temperaturas mais amenas. Vale citar que isso é uma das possibilidades de abrigo, existem outras usando somente lona e cordeletes que são ainda mais simples. Outra desvantagem dessa ideia é que ela não oferece proteção contra mosquitos…

A estrutura para montagem deste abrigo improvisado é comum em algumas barracas importadas (como na Limelight e na Earlylight, ambas da Marmot). Com ela o usuário pode dispensar o quarto da barraca (parte interna) e levar somente o footprint, varetas e o sobreteto – o que já reduz o peso e o volume na mochila. Inclusive esse é um dos métodos para montagem de barracas debaixo de chuva – quando a barraca oferece este recurso, é claro. Veja um vídeo que vai ilustrar isso bem melhor caso você não tenha entendido. Ou se quiser ver o vídeo depois confira a imagem abaixo.

abrigo com o sobreteto e footprint

Note que a parte interna da barraca não está montada na foto. Aqui aparece somente o footprint (lona servindo de piso), varetas e o sobreteto.

Pois é, com um pouco de engenhosidade essa estrutura pode ser feita de forma alternativa, usando varetas de uma barraca antiga, uma lona e um poncho ou mesmo um sobreteto de barraca compatível. A dica é: quanto mais curtas forem as varetas, menos volumoso e mais leve será o seu abrigo – e também mais baixo – o que não é tão desvantajoso assim, já que um perfil mais baixo se comporta melhor em situações de vento.

A coisa toda fica simples quando já temos o footprint – a lona para piso padronizada de fábrica que acompanha algumas barracas. Entretanto é possível construir rapidamente um footprint usando aquelas lonas azuis de carro, alguns ilhoses e pedaços de fitas (das que existem nas alças de mochila). Basta fazer uma base retangular, algo em torno de 1,90m de comprimento por 1 metro de largura – ou do tamanho que você preferir. Observe as ilustrações abaixo e você entenderá melhor essa estrutura base:

Montagem da estrutura do abrigo

Estrutura do abrigo com varetas e footprint

Algumas dicas podem lhe ajudar a montar um footprint melhor, basta seguir as orientações da imagem abaixo para fazer um acabamento e uma estrutura de encaixe das varetas e fixação mais funcionais.

Fazendo a lona da base do abrigo

Detalhes para o acabamento do footprint

Para a cobertura você pode usar algum poncho ou mesmo o sobreteto de alguma barraca velha e que ainda esteja em boas condições. Prenda elásticos grossos na aponta da lona usada no teto e fixe eles aos espeques que passarão por dentro do ilhós da fita preta que aparece na ilustração anterior. Assim todo o conjunto ficará bem fixo, similar ao que acontece na montagem de alguns modelos de barracas.

Essa ideia veio de um vídeo que eu encontrei no YouTube e que vou deixar aqui também. Nele a montagem do abrigo é feita com uma estrutura similar, porém usando um poncho e varetas bem curtas, o que resulta em um abrigo bem mais baixo, uma boa opção para bivaks. Assista e monte o seu projeto de abrigo improvisado!


Leia também

Orientação com bússola e mapa – Parte 3

Este artigo é a continuação do texto “Orientação com bússola e mapa – Parte 2“ Ok, podem me xingar. Eu

Manual básico para atividades de montanha

Há bastante tempo eu encontrei este livro na lojinha da UEB no Rio de Janeiro. Procurei as outras edições mas

Diário de viagem e Controle de orçamento

Quando eu viajo eu tenho um orçamento definido, em geral ele tem o que eu posso gastar e uma reserva

Mario Nery

Mario Nery

Trekker, montanhista e mochileiro, pratica esportes outdoor desde 1990. Apaixonado por equipamentos, fotografia, cerveja e tecnologia. Formado em TI, atualmente trabalha na área mídias sociais/marketing digital. Siga o Trekking Brasil no Twitter: @trekking


Sem comentários

Deixe sua opinião
Opa! Sem comentários ainda!Seja o primeiro a comentar este artigo!

Deixe a sua opinião