RSSFacebookTwitter YouTubeInstagramPinterest





Pedalando pela História

Entre os estudos sobre as origens da bicicleta no mundo e os seus registros históricos, talvez a imagem mais conhecida seja o esboço de Leonardo Da Vinci. Dizem que monges italianos que restauravam manuscritos de Da Vinci em 1966, encontraram a figura que representaria uma bicicleta. O desenho, que tem características bastante avançadas para a época (como por exemplo a utilização de corrente) é amplamente divulgado como parte integrante do Codex Atlanticus, uma coleção de 400 páginas de documentos do cientista e inventor, datadas de 1478 até 1519. Porém um documento apresentado na 8ª International Conference on Cycling History na Glasgow School of Art em agosto de 1997, questiona fortemente a veracidade deste fato, dizendo na verdade que é um registro falso e portanto seria uma grande farsa. As discussões são divergentes quanto ao verdadeiro autor e o possível motivo da tal falsificação.(http://www.cyclepublishing.com/history/leonardo%20da%20vinci%20bicycle.html)

Isto seja verdade ou não, assim como algumas outras divergências e dúvidas que vamos ver a seguir, o que podemos afirmar é que a evolução da bicicleta foi acontecendo ao longo dos anos no decorrer da história, e portanto, a bike faz parte do caminhar da humanidade. Ou seria, do pedalar da humanidade? ;-)

No Deutsches Museum de Mônaco é conservado um modelo chamado bicicleta de Kassler, que teria sido criada no ano de 1761. Mas não existem muito mais informações concretas sobre ela.

Muitos consideravam o francês Conde Sivrac como um dos inventores do que chamamos de pré-bikes, pois em 1791 ele teria criado o Celerífero (célérifère em francês), um conjunto de duas rodas interligadas por um pedaço de madeira com a aparência de um animal. Não havia mecanismos de direção ou propulsão, ou seja, o a pessoa usava o impulso das próprias pernas para se locomover. Depois de um tempo surgiu a notícia que Sivrac foi um personagem criado por Baudry de Saunier, um jornalista francês conhecedor sobre locomoção terrestre e que viveu entre 1865 e 1938. O Conde então era apenas imaginário (?), talvez, mas o Celerífero não!? Ou sim?

Celerifero

Celerífero

Em 1816 o Barão alemão Karl Friedrick Drais (1785-1851) idealizou um veículo com duas rodas feito com uma liga de antimônio, um metal bem pesado. Tentou patenteá-lo em Viena mas não conseguiu, porém no Ducado de Baden e em Paris obteve o que queria e foi transformando seu invento em um grande sucesso. Apesar das patentes, suas Draisianas (ou Draisines), como eram chamadas, foram copiadas por várias pessoas em vários lugares, se espalhando por grande parte da Europa. Na maioria das biografias, o mérito pela invenção do precursor da bicicleta, é de Drais.

Por volta de 1830, o ferreiro escocês Kirkpatrick Macmillan criou pedais ligados por barras de ferro ao eixo da roda traseira para sua movimentação. Mas os registros históricos consideram que o inventor do pedal foi o francês Ernest Michaux, que ligou o acessório à roda dianteira de um velocípede (com uma roda dianteira alta e duas rodas traseiras).

A prefeitura de Paris criou em 1862, caminhos especiais nos parques para que os velocípedes não se misturassem com as charretes e carroças, dando assim origem às primeiras ciclovias. No mesmo ano, Michaux conseguiu fabricar 142 unidades em doze meses, sendo considerado o primeiro fabricante oficial de bicicletas.

Em 1877 foi criado um dispositivo que por meio de duas correntes, multiplicava o giro da roda dianteira, dando maior velocidade e flexibilidade à bike. E em 1880, um parisiense chamado Vicent constrói a primeira bicicleta com transmissão aplicada ao cubo da roda traseira. Ainda no mesmo ano, Thomas Humber inventa na Inglaterra o quadro de quatro tubos, trazendo mais estabilidade ao super veículo de duas rodas.

The Rover Safety Bicycle

Starley Rover Safety Bicycle 1884

Na mesma década, surgia então a Rover Safety Bike idealizada por John Kemp Starley, primeira bicicleta com transmissão por corrente e quadro “diamante”. Elas se chamavam safety bike por conta da segurança que proporcianavam em comparação as Big Wheels (bikes com rodas dianteiras bem maiores que as traseiras, mas com pouca segurança e possível velocidade alta). As Rovers são consideradas as primeiras das chamadas bikes modernas.

E passado mais um pouco de tempo, temos a grande diversidade e modelos de bicicletas pelo mundo. Cada qual em um contexto, com suas características específicas (ou não) e proporcionando a possibilidade de muitas pedaladas por aí. Então lembre-se, quando você está pedalando, também está fazendo parte de um pedacinho da história que continuamos escrevendo!

Um abraço do Rex e ótimas pedaladas!
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

Créditos das imagens:

Celerífero: http://transporteativo.org.br/wp/2008/03/16/historia-do-surgimento-da-bicicleta
Starley Rover: http://www.roadswerenotbuiltforcars.com/jkstarley


Leia também

De bike com a cadela, de Floripa ao Uruguai

Um casal teve a ideia de encarar uma cicloviagem de Florianópolis ao Uruguai, até aí não temos nada de muito

São Paulo tem mapa das ciclorrotas da cidade, pegue o seu

A versão 2013 do mapa das ciclorrotas da cidade de São Paulo já está disponível, e desta vez, além de

As Bikers

Texto e fotos: Beatriz Pereira Lasmar Essa viagem que fizemos foi muito boa, eu sai de Guaratinguetá encontrei a segunda

Sr. Rex

Sr. Rex

É um andarilho que gosta de conhecer pessoas, lugares e realidades deste incrível planeta. Atualmente trabalha como Bike-Repórter e também como Educador Socioambiental na cidade de São Paulo. Seu principal veículo de transporte é a bicicleta. Siga o Rex no Caminhos do Rex - Fanpage Facebook e no twitter @rexterraqueo.


Sem comentários

Deixe sua opinião
Opa! Sem comentários ainda!Seja o primeiro a comentar este artigo!

Deixe a sua opinião