RSSFacebookTwitter YouTubeInstagramPinterest





Rapel, a popularização da técnica e o prejuízo disso

Rapel – do francês “rappel” (opa, quase um curso de instrução isso aqui) – técnica desenvolvida na França em 1879 por Jean Charlet-Stranton. Consiste no uso de cordas, equipamentos de ancoragem, técnicas de redução de carga e equalização (quando o caso pede), equipamentos de segurança pessoal e equipamentos para controle da descida e parada quando existe perda do controle. Aplica-se basicamente na descensão de montanhas após a escalada, na ultrapassagem de obstáculos naturais (como canyons), resgate e mais recentemente na manutenção externa de prédios e situações similares.

Foi praticada por muito tempo sem o uso de equipamentos – já que esses não existiam na época. Nesse período o escalador usava o próprio corpo para causar atrito com a corda e controlar a descida – algo nada agradável, posso lhes garantir que a corda queima quando corre pela pele… Mas bem, o importante é saber que:

RAPEL É A TÉCNICA DE MONTANHA RESPONSÁVEL PELA MAIORIA DAS MORTES E ACIDENTES NO MONTANHISMO

Por causa deste fator, pelo pouco conhecimento técnico e por causa do desrespeito aos montanhistas o praticante de rapel é mal visto nas montanhas. O aumento descontrolado de praticantes de rapel engordou o número de acidentes e fez com que houvesse um movimento em prol da criação de leis e normas que regularizam o montanhismo e seus equipamentos, muitas delas descabidas e que só serviriam para atrasar o desenvolvimento do esporte no país. Mas isso é um dos problemas causados pelo aumento no número de acidentes e a exploração da técnica como forma de “turismo de aventura”.

O rapel entrou na moda! Sim pessoal, é legal fazer rapel, dá uma sensação de adrenalina, de Uhullll… O problema não existiria se houvesse o respeito pelo espaço, pela via de escalada onde se está montando o rapel e pelas outras pessoas que estão na montanha. Mas ainda assim temos a questão da técnica!

E TÉCNICA NÃO SE APRENDE EM CURSO ONLINE OU NO YOUTUBE!!

Isso aqui está no Youtube e ensina a montar o que chamamos de “triângulo americano da morte”, nome bonito, não? E tem justificativa pra ele… Essa fica pros amigos de montanha se assustarem e pra rapaziada da tropa Sênior do 57ºGEAr brincar de jogo dos 7 erros…

Mais um pra divertir, ou assustar, os leitores… Ângulo das fitas e deslocamento do mosquetão da corda para os lados… E o infeliz ainda pisa na corda!! E o ângulo daquela quina na rocha…

Há muito tempo eu venho pensando em montar uma série de artigos aqui no TB com princípios básicos de escalada e rapel – nós, equalização, auto block, auto resgate… – mas aí eu penso: “Putz, Mario… Você vai montar esses vídeos e será legal por que você vai mostrar algumas coisas pro pessoal não fazer besteira por aí… Só que o cara não vai decorar tudo ou aprender sem fazer de uma hora pra outra (opa, herança do escotismo essa parte do “aprender fazendo”) e aí ele vai fazer besteirinha na montanha e acabar matando alguém… Ahhhh, melhor não fazer os vídeos…”

Pior do que os vídeos é encontrar uma escaladora no Facebook divulgando um absurdo que ela encontrou na internet, um CURSO COMPLETO ONLINE DE RAPEL, e com diploma! Por questões éticas eu não vou citar o link do tal curso aqui, mas penso em encaminhar o link para a CBME e para a FEMERJ.

Esse material online não transforma você em um instrutor de rapel, não vai lhe capacitar a levar um grupo de pessoas para montanha e se responsabilizar pela segurança delas, não vai prever como você reage em uma situação de pânico e acidente em altura e como você será capaz de ajudar quem está em risco, aliás será que você saberá resgatar as pessoas?? Técnicas de resgate de cima para baixo, com o uso de polias e afins são bem complicadas para aprender sem ser na prática… Montar um sistema de resgate não é uma coisa simples de fazer com alguém gritando lá embaixo que vai morrer, aliás existe uma corda reserva, existe uma corda em paralelo já ancorada ou um sistema de segurança de cima para baixo…? PENSE NISSO!!

Outra coisa – sem desmerecer ninguém apenas comentando a diferença – o rapel praticado por militares tem técnicas diferentes das usadas na escalada, algumas são iguais outras não. Já vi militares habilitados errando e pondo vidas perto do ponto de risco… A questão é, os montanhistas, os esportistas, tem acesso constante as novidades, tanto de equipamentos quanto técnicas, coisa que eventualmente demora para chegar nas unidades militares. É comum ver escaladores dando instrução para militares e bombeiros. Façam a analogia, o BOPE é a tropa que mais tem ações de combate urbano no mundo, por isso é considerada a melhor no quesito. Nem sempre os militares (em geral) vão pra montanha ou para muros treinar, mas quem está lá constantemente?? Sim amigos, os montanhistas.

Para aprender rapel ou qualquer outra técnica de montanha não use vídeos no Youtube ou mesmo “cursos completos online”, procure um clube de montanhismo ou a federação de montanha do seu estado e se informe sobre como e onde fazer um curso que realmente lhe habilite a ir para montanha em segurança.

Os erros mais comuns são referentes a falta de conhecimento – principalmente em nós e na ancoragem (no ato de prender a corda na montanha, digamos assim) e na falta de conhecimento do participante que não recebeu nenhuma informação antes, apenas entrou na van e foi lá gritar “Uhulllllll” e autoconfiança em excesso…

Um exemplo de irregularidade na prática do rapel que eu achei no Youtube…

Ah e antes que alguém pergunte, sim eu também já errei. A diferença, acredito eu, é que eu sei a consequência dos erros e onde cada item errado pode me deixar…

RAPEL NÃO É ESPORTE

Parte da definição da palavra esporte é “constitui uma forma metódica e intensa de um jogo que tende à perfeição e à coordenação do esforço muscular tendo em vista uma melhora física e espiritual do ser humano.As modalidades esportivas podem ser coletivas, duplas ou individuais, mas sempre com um adversário.”, agora eu pergunto, você melhora o que fisicamente fazendo rapel? Você fica mais sarado(a)? A celulite some (se sumir eu vou abrir uma empresa de Rapel anti-celulite e anunciar no Peixe Urbano)?? Sua condição cardio respiratória melhora em alguma coisa (não to falando da taquicardia quando dá algum problema)??? Você chega a suar fazendo rapel?? Então, rapel não é esporte! Queimado é esporte, rapel não! Até Totó (pembolim amigos de SP) deve ser esporte! Mas rapel é técnica de descida e resgate, somente isso e nada mais!

O que eu quero dizer depois disso tudo é que você não deve confiar em cursos miraculosos e que te preparam pela internet, muito menos naquele seu amigo descolado que sabe rapelar e usa umas calças camufladas e uma dog tag no pescoço com o simbolo dos Comandos ou qualquer coisa assim… Busque um local habilitado pela federação do seu estado ou mesmo um clube de montanha na sua região. A sua integridade vale muito mais que 29 reais (preço do tal curso online de rapel), a vida de outra pessoa vale muito mais… Seja consciente, colabore para o desenvolvimento do montanhismo noa país e para a redução das estatísticas de acidentes.

Bons ventos e segurança em primeiro lugar!


Artigo etiquetado em:
rapel

Leia também

Cuidados com a pele

Cuidados que TODAS as pessoas que gostam de praticar aventuras e esportes ao ar livre precisam ter. O câncer da

Doutores da Aventura – Projeto Cure Blindness

Em janeiro desse ano tive a honra de ser convidada e participar de um projeto chamado Himalayan Cataract Project (http://www.cureblindness.org/).

Crowdfunding para viabilizar publicação de livros da Miss Hawley

A Nepal Mountaineering Association (NMA) está contatando todas as federações ligadas à UIAA para divulgar um projeto de crowdfunding –

Mario Nery

Mario Nery

Trekker, montanhista e mochileiro, pratica esportes outdoor desde 1990. Apaixonado por equipamentos, fotografia, cerveja e tecnologia. Formado em TI, atualmente trabalha na área mídias sociais/marketing digital. Siga o Trekking Brasil no Twitter: @trekking


10 comentários

Deixe sua opinião
  1. José Henrique Amormino Fonseca
    José Henrique Amormino Fonseca 31 agosto, 2011, 10:42

    Falou tudo Mário!

    Ontem quando vi esta notícia fiquei absurdado com o conteúdo do tal curso.
    Daqui a pouco começam a fazer curso online de escalada, paraquedismo e mergulho, sendo que, depois do curso online é só comprar os equipos e morrer por conta própria!

    Realmente são coisas deste tipo que queimam a imagem dos esportes de aventura e banalizam os profissionais que realmente se dedicam a garantir uma prática segura e transmitir um aprendizado de qualidade.

    Abraços,
    José Henrique
    @amorminofonseca
    http://www.aventuraseexpedicoes.com

    Responda este comentário
  2. Eric
    Eric 31 agosto, 2011, 13:25

    Hehehe gostei do primeiro video!

    Pra piorar o animal usou a árvore para segurança e as chapas para backup!!!!

    PQP!!

    Abraços!

    Eric

    Responda este comentário
  3. Jodrian Freitas
    Jodrian Freitas 1 setembro, 2011, 06:46

    Concordo plenamente com o texto. Muitas vezes, se argumenta que um resultado ruim nunca aconteceu com alguém, que é exagero, etc. mas basta um só erro para uma tragédia acontecer. Segurança em primeiro lugar.

    Responda este comentário
  4. Nathalie S.
    Nathalie S. 6 setembro, 2011, 21:34

    Textásso, fio!

    Fez sua parte na conscientização da galera. Eu fiz a minha tbm, assim como vários “esportistas radicais” (argh!) que disseminaram essa notícia do curso online no Facebook e ajudaram a conscientizar mais uns gatos pingados.

    A CBME e a FEMESP já estão se articulando para catar esses caras da Buzzero, q estão vendendo o curso. Agora é esperar os resultados.

    Parabéns pelo texto.

    Responda este comentário
  5. Mario Nery
    Mario Nery 7 setembro, 2011, 00:43

    Obrigado Na! E obrigado por disseminar o aviso por aí!! :))

    Responda este comentário
  6. Joao Justo Rak
    Joao Justo Rak 11 outubro, 2011, 16:26

    Um exemplo de irregularidade na prática do rapel que eu achei no Youtube…

    Muito triste, jamais me imaginei dando a noticia para uma mãe ou um pai, foi uma fatalidade, nome ja diz tudo, isso nao existe, será que essas pessoas nunca imaginarm que um dia isso pode acontecer? Porém se elas nao se preocupam com a vida delas mesmo irão se preocupar com a dos outros?

    Parabéns pelo blog, e vale pena dizer que foi uma honra ter tido a sua presença e também ajuda na ida até a Pedra da Tartaruga.

    Abraços, nos esbarramos por ai!

    Responda este comentário
  7. Enivaldo Campos
    Enivaldo Campos 23 outubro, 2011, 23:29

    Atuo profissionalmente em acesso por cordas e içamento na área de telecom e há 10 anos tento aprender e de repente algum maluco diz que faz rapel e ensina pela net ? Eu hein !
    Sem falar que o custo de materiais de boa qualidade impede que esses “rapeleiros” façam algo sério.
    Ainda bem que no meu habitat (edifícios e torres de 70m,110m,…) esses caras não aparecem…

    Responda este comentário
  8. Rodrigo Neto
    Rodrigo Neto 26 outubro, 2011, 23:05

    O cara usou um nó de gravata na fita pra fazer a ancoragem? Foi isso mesmo?

    Meu pai do céu…

    Parabéns pelo Post.

    Responda este comentário
  9. Rafael Steil
    Rafael Steil 10 junho, 2012, 21:57

    Artigo muito bom e pertinente, e como alguém que foi escoteiro durante 7 anos, apoio totalmente este tipo de artigo.

    Contudo, tenho uma crítica construtiva: como um leigo, ou mesmo alguém minimamente iniciado (escoteiros inclusos) poderá saber se o que está sendo feito por outra pessoa é certo ou errado? Mais ainda, me atrevo a dizer que pouquíssimas pessoas terão a análise crítica para analisar a situação, ainda mais quando o instrutor (ou o “cara mais entendido”) se posicionar como perito, como é visto nos vídeos.

    Eu acredito que um vídeo ‘ensinando a fazer rapel” talvez não seja mesmo tão interessante pelos perigos supra-citados, mas uma abordagem interessante pode ser vídeo / foto sobre o é errado. “Como fazer rapel” o cara já vai achar no youtube, mas muito mais difícil será achar conteúdo mostrando *o que* está errado em tais vídeos.

    Responda este comentário
  10. Pedro Vinícius
    Pedro Vinícius 24 setembro, 2012, 10:43

    Bom Dia,
    Estive acampando no PERIGOSO e vi uma galera fazendo Rapel na pedra da Tartaruga !
    Achei lindo e fiquei imaginando a sensação !
    Queria saber se eu posso fazer rapel mesmo sem ter prática, com algum instrutor me ajudando ali e quais locais e dias eu poderia conseguir isso.
    Acho que estarei no Perigoso novamente no feriado de dia das crianças acampando.
    Obrigado pela atenção !

    Responda este comentário

Deixe a sua opinião