RSSFacebookTwitter YouTubeInstagramPinterest





Três Picos – Nova Fribrugo

Três Picos é uma formação de montanhas localizada na região de Salinas em Nova Friburgo – Rio de Janeiro. O local abriga um parque estadual, batizado de “Parque Estadual dos Três Picos” ou “PETP” como iremos nos referir a ele aqui neste texto.

Onde: Três Picos, região serrana do Rio de Janeiro – cidade de Nova Friburgo (Salinas)
Duração da trip: duas noites e dois dias.
Melhor época do ano: Inverno, mas é possível ir no verão quando o tempo estiver estável, porém as chuvas no final do dia e o calor podem atrapalhar.
Destaques: As cervejas artesanais da região, as grandes araucárias e as belas paisagens do Parque Estadual dos Três Picos.
Indicado para: Famílias aventureiras e grupos de amigos que curtam relaxar nos refúgios ou mesmo encarrar trilhas e escaladas. Outro ponto forte do local é a opção de belos registros fotográficos pra quem curte fotografia de natureza/paisagens.

É bom avisar uma coisa: você vai se apaixonar pelo lugar! Três Picos oferece inúmeras oportunidades de escaladas e trilhas. Além disso é possível acampar no PETP ou mesmo ficar em algum dos refúgios que alugam espaços. Ficamos hospedados no Refúgio Três Picos (ou refúgio do Zezinho), uma casa de alvenaria com dois andares e espaço para umas 15/20 pessoas. Nosso grupo tinha 10 pessoas e não tivemos problemas com o espaço, o refúgio conta com camas e beliches no segundo andar, já no térreo ficam um banheiro com água quente e outro com água fria, uma cozinha básica com fogão, geladeira, mesa grande e pia – além de um fogão a lenha, sala, mais dois quartos (de casal) e a lareira.

Três Picos - Salinas - Nova Friburgo

Parte do pessoal da trip em frente aos Três Picos – faltando o Rafael Guerra e a Lidiane Araújo – Foto: Renan Cavichi

Pão de Queijo

Pão de queijo mineiro de verdade sô! Feito pela Gisele Halfeld.

Uma característica legal do refúgio do Zezinho, e que acontece também em outros pontos da região, é que ele produz uma ótima cerveja artesanal Pale Ale! Tivemos a oportunidade de experimentar uma e gostamos bastante. A produção do Zezinho ainda é pequena, porém você tem a opção de experimentar a Cerveja Artesanal Três Picos, feita no Refúgio das Águas pelo montanhista Sérgio Tartari – altamente recomendada, lá você vai encontrar um número maior de tipos de cerveja (quando fomos: Pale Ale, Red Ale, Weiss e Stout) além de uma pizza feita no forno à lenha.

Três Picos Nova Friburgo

Casa onde ficamos hospedados – Refúgio Três Picos ou Refúgio do Zezinho.

Bem vamos voltar pro relato esportivo da trip e deixar o relato etílico de lado.

A nossa programação estava separada em dois dias, seriam duas trilhas dentro do PETP: Cabeça de Dragão e a Caixa de Fósforo (essa última recomendada por alguns amigos).

Nestes dias eu fiquei em companhia de um grupo que sempre anda junto por aí, além de alguns novos amigos. O grupo era: Elias Maio, Fábio Fliess, Letícia Fliess, Luan Gesteira, Rafael Guerra, Lidiane Araújo, Renan Cavichi, Jeff Almeida e uma importação mineira, Gisele Halfeld (más línguas dizem que a contribuição dela com pães de queijo feitos na hora foi substancial, rsrsrs!!).

Refúgio Três Picos - Nova Friburgo

Galera em frente ao refúgio do Zezinho (ele está de blusa clara e bermuda ao lado da pilastra). Foto: Elias Maio.

Brincadeiras a parte – e não foram poucas – a sintonia do grupo funcionou muito bem como sempre. Chegamos na noite de sexta após nos encontrarmos na estrada com o Renan e o Jeff que estavam vindo de Caraguatatuba (SP). Uma parada estratégica no mercado para abastecermos os carros com comida, outra parada no restaurante da Linguiça do Padre pra comprarmos alguns petiscos, mais um pouco de estrada e logo depois estávamos estacionando os carros no refúgio do Zezinho. A boa da noite foi o mestre cuca Renan Cavichi fazendo um arroz de carreteiro pro jantar, momento raro sem diálogos no refúgio, só ouvíamos os talheres e os “hummmmmmm”. É, quando temos oportunidade nós comemos bem!

Três coisas não faltaram nesta trip: comida, cerveja e bom humor – ponto comum quando esse pessoal anda junto e tem alguma estrutura no lugar. Todos felizes com o jantar, hora de separar o material da mochila de ataque e dormir, no dia seguinte a programação era a trilha do Cabeça de Dragão com visita ao Refúgio do Sérgio Tartari no final do dia.

Buenas noches! E quem for dormir por último apaga a luz por favor!

Dia 01 – Trilha até o Cabeça de Dragão – PETP

Destaques: vista do alto da Cabeça de Dragão
Nível: semi pesado a pesado – trechos com subidas bem inclinadas e com exposição ao sol – principalmente o trecho entre o camping do parque e o cume do Cabeça de Dragão.
Dica: leve água, só existe água perto da área de camping, depois deste ponto (onde começa o toca pra cima) não tem fontes de água.

Cabeça de Dragão

Imagem do Google Earth mostrando o tracklog da trilha do Cabeça de Dragão desde o Refúgio Três Picos até o cume.

A trilha não começa próximo do abrigo onde estávamos, então pegamos os carros e fomos até uma casa que serve de estacionamento e que fica próxima da estradinha que dá acesso ao Abrigo do Mascarin – o último abrigo antes da entrada do parque (a entrada fica ao lado do abrigo) – após este ponto a única opção é acampar no espaço do PETP, que fica bem perto da base do Capacete (montanha arredondada ao lado dos Três Picos), mas é um camping bem simples e rústico, com uma pia, um ou dois banheiros e chuveiros com água fria. A estrada acaba na porteira ao lado do Mascarin, deste ponto em diante o acesso para carros é proibido, e para chegar até o Mascarin a estradinha nem sempre está em bom estado, por isso não arriscamos a subida e deixamos os carros lá embaixo. Por acaso a estrada estava melhor do que o normal, mas mesmo assim um ou dois trechos iriam exigir mais habilidade do motorista para vencer os buracos, bem como um carro que suporte isso. Então na dúvida deixe o carro no estacionamento debaixo e suba até o Mascarin a pé.

Três Picos

Ao lado desta porteira do Mascarin fica a porteira que dá entrada no parque, daqui pra frente só a pé.

A área é conhecida como Vale dos Deuses, a explicação é simples, basta olhar em volta. A vista das montanhas é incrível.

Logo depois da porteira o caminho segue até chegar em outra porteira, que é parte de uma propriedade particular que serve de acesso aos Três Picos e demais pontos do local. Fizemos uma parada rápida para fotos com a vista dos Três Picos e as grandes araucárias do pasto e depois seguimos subindo. O caminho é bem marcado, na verdade é uma estradinha em alguns pontos. O caminho segue com o conjunto dos Três Picos/Capacete do seu lado esquerdo sempre.

Salinas Três Picos

Na trilha pouco depois da região do pasto – Foto: Renan Cavichi

Após algum tempo você chega na sede de montanhismo do parque, uma casinha que fica bem aos pés do Capacete, seguindo a trilha logo após este ponto você chegará a uma bifurcação (em frente ou para direita) a trilha do Cabeça de Dragão continua para direita – existe uma placa de madeira indicando a direção. Logo após entrar nesta bifurcação você encontra a área de camping do Parque Estadual dos Três Picos. A trilha para o Cabeça de Dragão segue atrás da casinha que fica na área de camping, atrás da casa, a direita dela.

camping Parque Estadual Três Picos

Área de camping do Parque. Foto: Renan Cavichi

Agora é hora do toca pra cima começar, daqui em diante é subir e subir e subir mais um pouco. O Cabeça de Dragão tem 2082m de altitude. A trilha segue pela mata, bem definida e bem inclinada também, até chegar em uma região de lages de pedra sem vegetação alta, aqui você terá belas vistas dos Três Picos e Capacete, além de muito sol na cabeça – e será assim até o cume.

Panorâmica Três Picos

Vista dos Três Picos da lage de pedra da trilha do cabeça de Dragão

Deste ponto em diante basta seguir pela crista subindo os trechos de rocha, alguns pontos da crista tem uma leve exposição – nada realmente perigoso, mas que vale ser citado por que pode incomodar os menos acostumados. A vista do cume é linda e recompensa o esforço feito na crista, como vocês podem ver nas fotos abaixo.

Parque Estadual dos Três Picos

Subindo a Crista do Cabeça de Dragão. Foto: Fabio Fliess

Visual Cabeça de Dragão PETP

Panorâmica da vista do cume do Cabeça do Dragão

A volta acontece pelo mesmo caminho que foi usado na subida.

Fim da nossa programação de sábado, pelo menos da parte outdoor da programação. Agora era voltar, comer alguma coisa e se preparar para ir até o refúgio do Sérgio Tartari para experimentarmos a famosa Cerveja Artesanal Três Picos. Mas antes disso a rapaziada resolveu lagartear um pouco pelo refúgio do Zezinho, beber umas cervas e relaxar depois da trilha, tudo com acompanhamento do Luan no violão, com a galera cantando Pearl Jam, bebendo uma cervejinha e petiscando a famosa Linguiça do Padre com limão.

Refúgio do Zezinho Três Picos

Roda de violão com o Luan tocando e a galera aproveitando pra relaxar com petiscos e cerveja.

Ok, vencida a preguiça, fomos até o Refúgio da Águas do Sérgio Tartari para experimentarmos a tão falada “Cerveja Artesanal Três Picos”, afinal de contas além de montanha e fotografia essa galera também gosta de uma boa cerveja.

Cerveja Sério Tartari

Degustando a Pale Ale artesanal do Sérgio Tartari – Cerveja Artesanal Três Picos. Foto: Luan Gesteira

Cerveja Artesanal Três Picos

Um brinde com o criador da cerveja é sempre especial, com Sérgio Tartari. Foto: Elias Maio

E a Pale Ale e a Weiss produzida com a água de Três Picos foi aprovada pelo pessoal e muitos levaram algumas garrafas pra casa. Bem como a Red Ale e a Stout degustadas em outras oportunidades. É possível se hospedar no refúgio e aproveitar as noites com pizza e cerveja artesanal gelada. Uma boa dica para quem busca um local mais tranquilo e com um astral de montanha.

Voltamos para onde estávamos hospedados e fomos ao jantar. Tivemos mais um jantar top de linha do Chef Renan, desta vez lentilhada – tinha lentilha pra um batalhão inteiro – mas nossa pequena unidade de montanhistas esfomeados fez um bom estrago nas provisões no jantar, rsrsr!

Jantar

Arroz de Carreteiro, essa foi uma foto da primeira noite, um dos raros momentos onde o silêncio imperava neste refúgio. Foto: Elias Maio

Uma noite em frente da lareira do abrigo, com violão, algumas bebidas e muitas risadas… Então chegou a hora de cairmos nas camas e nos preparar para acordar cedo no domingo para a trilha até a Caixa de Fósforo.

Dia 02 – Chuva e nada de trilha…

Pra nossa falta de sorte o dia seguinte amanheceu com muita neblina, céu fechado e sinais de chuva durante a noite. Resumindo, nossa ida até a Caixa de Fósforo virou cinzas de vez quando a chuva caiu de manhã… Nos restou ficar mais um tempo batendo papo, curtindo o clima e a névoa que baixou no quintal, infelizmente.

Com certeza voltaremos até Três Picos para aproveitar algumas outras trilhas!

—————————-

Tracklog desta trilha:

Acesse nossa seção de tracklogs

Infos extras:

Abrigo Três Picos (Zezinho) – Tels. (22)-99836-7555 ou (21)97535-4269 – E-mail: jasmattos@hotmail.com – José Augusto Mattos(Zezinho) – Facebook: https://www.facebook.com/RefugioTresPicos

Três Picos no site do Inea – http://www.inea.rj.gov.br/unidades/pqtrespicos_o_que_fazer.asp

Refúgio das Águas (Sergio Tartari) – http://refugiodasaguas.blogspot.com.br/

Pouso dos Paula – http://www.pousodospaula.blogspot.com.br/

Refúgio Canto da Pedra (Alexandre Portela) – http://www.cantodapedra.blogspot.com.br/

República Três Picos (Paulo Mascarin) – http://www.republicatrespicos.com.br/

Indicação de restaurante (não fomos mas um amigo que estava conosco recomendou) – http://www.arcoiristrutas.com.br/tres-picos.html

Vale uma parada pra comprar umas linguiças pra aperitivo! Churrascaria Linguiça do Padre – https://pt.foursquare.com/v/churrascaria-lingui%C3%A7a-do-padre/4e19dbe72271b0e972098c80


Leia também

Raizama e Vale da Lua – Chapada dos Veadeiros – GO

Santuário Ecológico Raizama O Santuário é uma RPPN (reserva particular do patrimônio natural). O lugar fica a 2km da vila

Travessia de Urubici até Bom Jardim da Serra – SC

A TRAVESSIA CONGELANTE, entre Urubici e Bom Jardim da Serra Nossa equipe KOT (Keep on Trekking) partiu no último dia

Expedição Patagônia – Parte 1 – Attitude Riders

Recentemente recebemos um contato por email de uma galera brazuca que filmou uma trip pela Patagônia e resolveu compartilhar conosco

Mario Nery

Mario Nery

Trekker, montanhista e mochileiro, pratica esportes outdoor desde 1990. Apaixonado por equipamentos, fotografia, cerveja e tecnologia. Formado em TI, atualmente trabalha na área mídias sociais/marketing digital. Siga o Trekking Brasil no Twitter: @trekking


4 comentários

Deixe sua opinião
  1. Renato Russi
    Renato Russi 28 Fevereiro, 2014, 17:16

    Achei bem interessante !

    Responda este comentário
  2. sandra da rosa andrade
    sandra da rosa andrade 16 julho, 2014, 12:29

    Olá ,

    deixo registrado, que gostei muito deste site, eu sou do RJ mas ainda não fui ao Parque Três Picos, me agendo para ir em breve
    aqui entre nós, que legal o nosso RJ, tem até uma excelente cerveja dentro do Parque, onde se acha isso, senão aqui !! ??
    att
    Sandra da Rosa Andrade

    Responda este comentário
  3. Taísa Meneguci
    Taísa Meneguci 6 julho, 2015, 08:47

    Muito bom o relato! :)

    Responda este comentário

Deixe a sua opinião